Thursday, July 15, 2010

Lula - "The Benefactor"

In search of soft power, Brazil is turning itself into one of the world's biggest aid donors. But is it going too far, too fast?

ONE of the most successful post-earthquake initiatives in Haiti is the expansion of Lèt Agogo (Lots of Milk, in Creole), a dairy co-operative, into a project encouraging mothers to take their children to school in exchange for free meals. It is based on Bolsa Família, a Brazilian welfare scheme, and financed with Brazilian government money. In Mali cotton yields are soaring at an experimental farm run by Embrapa, a Brazilian research outfit. Odebrecht, a Brazilian construction firm, is building much of Angola’s water supply and is one of the biggest contractors in Africa.

Without attracting much attention, Brazil is fast becoming one of the world’s biggest providers of help to poor countries. Official figures do not reflect this. The Brazilian Co-operation Agency (ABC), which runs “technical assistance” (advisory and scientific projects), has a budget of just 52m reais ($30m) this year. But studies by Britain’s Overseas Development Institute and Canada’s International Development Research Centre estimate that other Brazilian institutions spend 15 times more than ABC’s budget on their own technical-assistance programmes. The country’s contribution to the United Nations Development Programme (UNDP) is $20m-25m a year, but the true value of the goods and services it provides, thinks the UNDP’s head in Brazil, is $100m. Add the $300m Brazil gives in kind to the World Food Programme; a $350m commitment to Haiti; bits and bobs for Gaza; and the $3.3 billion in commercial loans that Brazilian firms have got in poor countries since 2008 from the state development bank (BNDES, akin to China’s state-backed loans), and the value of all Brazilian development aid broadly defined could reach $4 billion a year (see table). That is less than China, but similar to generous donors such as Sweden and Canada—and, unlike theirs, Brazil’s contributions are soaring. ABC’s spending has trebled since 2008.

This aid effort—though it is not called that by the government—has wide implications. Lavishing assistance on Africa helps Brazil compete with China and India for soft-power influence in the developing world. It also garners support for the country’s lonely quest for a permanent seat on the UN Security Council. Since rising powers like Brazil will one day run the world, argues Samuel Pinheiro Guimarães Neto, the foreign ministry’s secretary-general, they can save trouble later by reducing poverty in developing countries now.

Moreover, aid makes commercial sense. For example, Brazil is the world’s most efficient ethanol producer, and wants to create a global market in the green fuel. But it cannot do so if it is the world’s only real provider. Spreading ethanol technology to poor countries creates new suppliers, boosts the chances of a global market and generates business for Brazilian firms.

The effort matters to the world’s aid industry, too—and not only because it helps offset the slowdown in aid from traditional donors. Like China, Brazil does not impose Western-style conditions on recipients. But, on the whole, western donors worry less about Brazilian aid than they do over China’s, which they think fosters corrupt government and bad policy. Brazilian aid is focused more on social programmes and agriculture, whereas Chinese aid finances roads, railways and docks in exchange for access to raw materials (though Brazilian firms are busy snapping up commodities in third-world nations, too).

Marco Farani, the head of ABC, argues there is a specifically Brazilian way of doing aid, based on the social programmes that have accompanied its recent economic success. Brazil has a comparative advantage, he says, in providing HIV/AIDS treatment to the poor and in conditional cash-transfer schemes like Bolsa Família. Its tropical-agriculture research is among the world’s best. But Brazil also still receives aid so, for good or ill, its aid programme is eroding the distinction between donors and recipients, thus undermining the old system of donor-dictated, top-down aid.

And all this has consequences for the West. Some rich-country governments cautiously welcome what Brazilians call “the diplomacy of generosity”, just as they do the soft-power ambitions of which aid is part. After all, if (as seems likely) emerging markets are to become more influential, Brazil—stable, democratic, at peace with its neighbours—looks more attractive and tractable than, say, China or Russia.

But if aid is any guide, a lot will have to change before Brazil occupies the place in the world that its president, Luiz Inácio Lula da Silva, aspires to. Brazil seems almost ambivalent about its aid programme. The country still has large pockets of third-world poverty, and sending money abroad could be controversial. Brazilian law forbids giving public money to other governments, so legal contortions are inevitable. The ABC aid agency is tucked away in the foreign ministry, where its officials are looked down on as “Elizabeth Arden” diplomats (London–New York–Paris), not the “Indiana Jones” adventurers required. At least some aid, for example to Venezuela, seems to have been inspired by Lula’s soft spot for leftist strongmen. And the exponential increase in aid—the value of humanitarian contributions has risen by 20 times in just three years—means that both people and institutions are being overwhelmed. Stories abound of broken promises, incompetence and corruption.

Slowly, though, things are changing. Dilma Rousseff, the presidential candidate from Lula’s party, is thought to be mulling over the idea of a new development agency to raise aid’s profile, if elected. As Mr Farani says, Brazil needs more aid officials, with more operational independence and a greater emphasis on policy aims, not just piecemeal projects. Until it gets those, Brazil’s aid programme is likely to remain a global model in waiting—a symbol, perhaps, of the country as a


Em busca do status de potência global, o Brasil vem se posicionando na comunidade internacional em diferentes áreas. Além da recente participação no acordo nuclear com a Turquia e o Irã e a batalha pelo assento permanente no Conselho de Segurança da ONU, o país já se tornou um dos maiores doadores internacionais para áreas de risco ou financiamento de projetos, diz a revista britânica "The Economist".

A reportagem indica que o orçamento oficial da Agência Brasileira de Cooperação (ABC) é de R$ 52 milhões, mas um levantamento feito pelo Instituto de Desenvolvimento Internacional do Reino Unido e o Centro de Pesquisa em Desenvolvimento Internacional do Canadá mostra que no total uma série de agências do governo brasileiro gastam ao menos 15 vezes mais do que isso em seus próprios programas de assistência.

A revista britânica apontou que Brasília contribui com cerca de R$ 35 a R$ 44 milhões por ano com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), mas de acordo com o chefe do programa da ONU no país o valor real seria de R$ 177 milhões.

Outras iniciativas brasileiras incluem: R$ 531 milhões ao Programa Mundial de Alimentos da ONU, R$ 619 milhões à reconstrução do Haiti; pequenas ações em Gaza, e cerca de R$ 5,8 bilhões em empréstimos comerciais que empresas brasileiras privadas concederam a países pobres desde 2008 por meio do BNDES.

Somando-se todas as frentes, o montante de ajuda internacional que o Brasil fornece a outros países chega a cerca de R$ 7 bilhões por ano -- menos do que a China, mas similar ao que tradicionais "generosos" doadores como o Canadá e a Suécia concedem a outras nações. E ao contrário dos ocidentais, o montante brasileiro triplicou desde 2008.


A reportagem indica que sem fazer "muito alarde", Brasília vem atuando em diversas partes do mundo em desenvolvimento.

Após seis meses do terremoto no Haiti, um dos esforços internacionais mais bem sucedidos é brasileiro. O programa "Lèt Agogo" (Muito leite, em crioulo) é uma cooperativa que encoraja as mães a levarem os filhos para a escola em troca de refeições, uma ação baseada no Bolsa Família e financiando pelo governo brasileiro, diz a revista.

No Mali uma série de campos de algodão são cultivados com sucesso graças a uma fazenda experimental implementada pela Embrapa.

Em Angola, a empreiteira brasileira Odebrecht é um dos gigantes do setor e é responsável pela construção de grande parte do sistema de abastecimento de água no país, indica a "Economist".

A revista britânica diz que apesar de o Brasil não considerar as ações como "ajuda internacional", os benefícios trazidos pela participação do país nestes programas de desenvolvimento -- além da atuação direta de empresas privadas e agências governamentais brasileiras em diversas nações -- são indiscutíveis.

"A abundância da assistência na África ajuda o Brasil a competir com a China e a Índia em termos de influência como potência [do tipo 'soft-power'] no mundo em desenvolvimento. Também faz com que o país obtenha apoio para sua busca solitária por um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU", indica a "Economist".

Para o secretário-geral do Itamaraty, Samuel Pinheiro Guimarães Neto, os gastos se justificam com uma projeção do status de potência feita pelo governo. Já que poderes em ascensão como o Brasil um dia terão muito mais controle do cenário internacional, a redução da pobreza em países em desenvolvimento agora representará menos problemas no futuro.


O mundo ocidental se preocupa mais com os esforços chineses do que os brasileiros, afirma a revista, mas mesmo assim a crescente presença de financiamento do Brasil em países em desenvolvimento vem despertando a atenção das potências mais ricas.

Há também especificidades sobre a maneira brasileira de "ajudar outros países", diz a reportagem. Ao contrário das principais agências de desenvolvimento internacional como as dos EUA, Reino Unido, Canadá e União Europeia, o Brasil não impõe metas ou condições rígidas que devem ser atingidas pelos receptores dos recursos.

Para Marco Farani, chefe da ABC, os esforços brasileiros contam com a experiência que produziu o recente sucesso econômico no país. Brasília conta com programas de excelência como o tratamento de HIV/Aids para os mais pobres e esquemas sociais como o Bolsa Família e Bolsa Escola.

No entanto, a "Economist" argumenta que o país ainda recebe ajuda internacional de potências ocidentais e programas mundiais de desenvolvimento, o que faz com que a distinção tradicional entre doadores e receptores perca sentido no cenário atual.


A "diplomacia da generosidade" é bem-vinda pelas potências ocidentais, mas com ressalvas. As ambições de liderança brasileiras soam um alarme, mas a probabilidade de o país sul-americano se tornar um mercado mais influente do que a Rússia ou a China interessa ao Ocidente.

A "Economist" diz ainda que apesar dos sucessos, o modelo que o país adota como doador internacional ainda está em criação. A revista cita o o chefe da ABC, Marco Farani, dizendo que o Brasil precisa de mais oficiais no setor, mais independência e uma ênfase maior nos objetivos da política de assistência a outros países, ao invés de projetos isolados.

"Até conseguir fazer estas tarefas, o programa de ajuda internacional do Brasil provavelmente deve permanecer sendo um modelo global 'em aguardo' -- um símbolo, talvez, da situação do país como um todo", diz a revista britânica.

tradução para o portuguêa por

1 comment:

Francisco J.Pellegrino said...

Precisamos de ajuda por aqui, precisamos de saude, segurança e educação principalmente, isto ninguem se preocupa....o negócio é distribuir o dinheiro que não é deles..sem se preocupar em saber se está sendo bem aplicado. A gente já cansou deles, mas tudo se encaminha para termos mais 8 anos de GASTANÇA SEM COBRANÇA, capisce.